Pós-pandemia, o Novo Normal, e a Gestão de Projetos

As ações de recuperação dos negócios no pós-pandemia exigirão de todos os envolvidos um cuidado extra no planejamento e execução de projetos. O brasileiro é reconhecido mundialmente por sua capacidade de execução, dedicação e criatividade. Infelizmente, também recebemos a fama de pouco empenho no planejamento. Quantas vezes escutou que o brasileiro não tem tempo para planejar, mas esbanja esforços na correção de erros? Hora de mudar!

A importância do planejamento de projetos

Não é de hoje que discutimos os benefícios da gestão de projetos, desde a melhor alocação de recursos, controle dos prazos a gestão das partes interessadas, dentre outros. Gosto de resumir todos os benefícios em um só. O aumento das chances de se finalizar com sucesso o projeto. Entenda aqui sucesso como o atendimento de todo o escopo do projeto, dentro dos prazos e custos e qualidade definidos previamente e consentido por todas as partes interessadas.

O cenário pós-pandemia e o novo “normal”, características

Diversos veículos de comunicação já usam o termo “novo normal” para se referir a nova cultura que se desenha para o cenário pós-pandemia. Abaixo, uma lista de situações deste novo cenário que podem afetar a forma como tratamos o contexto da gestão de projetos.

1) A ampliação do trabalho e da educação remota

A pandemia acelerou a adoção de práticas de trabalho e educação remota. Todo o receio da utilização deste modelo de cooperação foi confrontado com a urgência em se manter organizações operando e alunos seguirem com seus estudos. A infraestrutura esta transformação digital estava à disposição, mas não totalmente em uso, e agora é preciso criar novos hábitos para atuar remotamente. Guarde a importância desta criação de novos hábitos.

2) A luz sobre a responsabilidade social das empresas

Vemos que grandes marcas tem trabalhado políticas com foco no consumidor e nos colaboradores, destacando o lado social. Identificam-se ações voltadas a cuidados especiais e exclusivos, além de posicionamentos de transparência, apelos por prevenção, medidas de segurança. Algumas ações de empresas que merecem destaque:

A Copel realizou a doação de R$ 5 milhões em 200 mil kits de coleta para testes PCR e mais de 1,2 milhão de máscaras para hospitais.

A Drogaria Araújo, em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, vacinaram 69 mil idosos contra a gripe com seus farmacêuticos e vão apoiar a PBH até o fim da Campanha Nacional.

A FCA trabalhou na recuperação de recuperação de respiradores que agora estão em uso em mais de 20 cidades brasileiras. Além de ter realizado a doação de 10 mil máscaras de proteção para profissionais de saúde nos EUA.

A Unimed lançou um hotsite especial sobre coronavírus, com orientações e conteúdo multimídia para esclarecer as principais dúvidas da população. O site apresenta conteúdo autoral da cooperativa, mas também reúne informações de diversas outras fontes confiáveis

Todas as empresas citadas tem grande preocupação com a gestão de projetos, fazendo bom uso da solução NetProject.

3) A flexibilidade nas relações de trabalho

Um fato curioso a legislação trabalhista não dizer nada sobre pandemias, como é o caso do coronavírus, devendo ser usada então, como base, a Lei 13.979/2020, publicada em fevereiro deste ano. Sem dúvidas, é obrigação das empresas zelar pela saúde e pelo bem-estar de seus colaboradores, adotando medidas de higienização e de controle, além da conscientização dos funcionários. Medidas como a concessão de férias individuais, a concessão de férias coletivas, a utilização de Banco de horas, a adoção do regime de teletrabalho e até mesmo a suspensão do contrato de trabalho estão em discussão constante pelas empresas. Qual será o resultado destas discussões no “novo normal”?

4) O despertar da coletividade

Sem dúvidas, as relações sociais passarão por grandes mudanças. A nossa visão de mundo não será mais a mesma diante desse desafio sanitário sem precedentes nas últimas gerações. A pandemia mudou o foco do nosso olhar e despertou sentimentos de coletividade que há muito pareciam não fazer parte de cada um de nós. Fomos forçados a olhar para o outro, entendendo que o nosso bem-estar depende de uma ação coletiva em que cada um é peça fundamental para a sobrevivência de todos.

5) O aumento da credibilidade da ciência

O sequenciamento do genoma do COVID-19 foi realizado em 48 horas por pesquisadores brasileiros. A luta incessante de pesquisadores na busca por uma vacina ou um tratamento eficaz despertou em toda a sociedade a importância da ciência. Presenciamos uma batalha diária da qualificação do método científico em detrimento a achismos e manipulação de dados.

6) A aceleração da cultura analítica.

Vivemos a primeira pandemia acompanhada em tempo real. Pesquisadores tem a sua disposição grandes volumes de dados, mas o sistema de saúde mundial não é analítico e não utiliza métodos ágeis para responder em tempo real. As habilidades analíticas para coletar, qualificar, organizar e analisar os dados não fazem parte do currículo de muitos profissionais. Os profissionais também não foram preparados para tomar decisões com distanciamento físico. As decisões sempre são negociadas e raramente, orientadas por dados.

Implicações do novo cenário na Gestão de Projetos

Diante do cenário acima apresentado, discutimos agora as implicações do “novo normal” na Gestão de Projetos.

1) A importância das pessoas e da equipe

Uma boa equipe já era fator crítico de sucesso nos projetos. De agora em diante, fomentar uma cultura de aprendizado e inovação na equipe torna-se ainda mais importante. Cultive um ambiente que busque o controle da vergonha e do medo, incentivando todos os membros da equipe a assumir sua vulnerabilidade, sendo então livres para inovar e criar! Veja este artigo sobre o tema.

O propósito individual e a formação de uma cultura de responsabilidade social nas organizações vão conduzir a formação de equipes em torno de um propósito organizacional. Faça bom uso desta situação em seu ambiente de projetos.

2) A Gestão de projetos em ambiente remoto e virtualizado

O trabalho remoto consequentemente dispara a necessidade de um controle de projetos remoto. E não, gerenciar projetos não é arrastar tarefas em um Quadro Kanban. Todos os aspectos da gestão devem ser considerados para um devido controle do projeto. Escopo, Custo, Qualidade, Recursos Humanos, Riscos, Comunicação, Partes Interessadas e Aquisições. Veja neste artigo, como um Escritório de Projetos, ou PMO, remoto, deve operar. As novas formas de organização do trabalho demandarão a capacidade de trabalhar bem todos os aspectos de projeto acima citados.

3) A importância da ciência e do trabalho com dados

Ao utilizar softwares para a gestão de projetos, com os devidos cuidados com todos os aspectos da gestão, gera-se uma quantidade considerável de dados. Estes dados agora devem ser trabalhados, utilizando conceitos e ferramentas de Business Intelligence e Inteligência Artificial.

A Ciência e um bom trabalho com dados facilita a condução de projetos. Devemos usar a enorme quantidade de dados estruturados para montar uma base de conhecimento que apoie o planejamento e a execução de novos projetos.

Os métodos híbridos de gestão, mesclando práticas preditivas e ágeis, tornaram-se uma prática das empresas, mas sem decisões baseadas em dados, essas operações ficam instáveis e frágeis

Dica final: Colocar a casa em ordem – Pessoas, Processos e Ferramentas.

Diante deste desafio, aconselhamos colocar a casa em ordem. Faça uma boa capacitação da equipe. Invista na definição de uma Metodologia híbrida de gestão de projetos, sem burocratizar. Implante uma solução tecnologia para apoiar todo o ciclo de iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle dos projetos, como o NetProject.

Prepare-se para o “novo normal” na condução de seus projetos!

Sobre Hayala Curto

Sobre o Colunista: Hayala Curto, CEO da NetProject. Mestre em Informática e graduado em Ciência da Computação pela PUC-MG. MBA em Gerência de Projetos e MBA em Gestão Empresarial pela FGV.
Tem mais de 20 anos de experiência profissional, coordenando projetos de TI e implantando Escritórios de Projetos em clientes de diversos portes e segmentos. Participou da abertura de 3 empresas. A primeira faliu, a segunda foi vendida e atualmente trabalha como CEO na terceira.
É certificado PMP desde 2005, PMI-SP e PMI-RMP, pelo PMI. Também é certificado IPMA-C, Prince2 e CSM. Apaixonado por Gerenciamento de Projetos, atua como docente na área, em cursos de pós-graduação/MBA, desde 2009.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.