O que é PMBOK?

A partir da década de 1950 e até a década de 1960, as práticas da administração de projetos, no nível operacional, foram compiladas e organizadas e transformaram-se em uma disciplina, ou seja, um corpo organizado de conhecimentos. Essa copilação foi resultado de um movimento liderado pelo Project Management Institute (PMI). Esse Instituto agrupou os praticantes e fizeram avançar a arte da administração de projetos. O resultado foi a produção do Guia dos conhecimentos sobre a administração de projetos (Guide to the Project management body of knowledge: PMBOK). Esse Guia é um documento que sistematiza os conceitos e as ferramentas da administração de projetos. Todas as pessoas envolvidas ou interessadas em gestão de projetos devem dominar.

Projetos são desenvolvidos em todos os setores e níveis das empresas, podendo ser um único departamento da empresa ou fora de suas fronteiras. Muitas vezes os projetos são componentes importantes da estratégia de negócio da companhia, servindo como um empreendimento de colaboração planejado para alcançar determinado objetivo. O Guia PMBOK é muito importante para esse trabalho, já que explora três conceitos fundamentais para projetos: o ciclo de vida do projeto, o processo administrativo do projeto e as áreas de conhecimento.

O Guia

O Guia PMBOK não é um roteiro para ser seguido a risca e etapa a etapa. Você precisa ir além, já que o Guia deixa claro que os conhecimentos e as práticas da administração de projetos não podem nem devem ser aplicados de maneira uniforme a todos os projetos, ou seja, os projetos são singulares. Cada equipe é responsável pela decisão de escolher o que seja mais apropriado para seus planos.

A consulta ao Guia e a outras referências é recomendável para você ficar atualizado com as ideias mais recentes nesse campo, que está em constante evolução. O PMBOK Não é a única escola de gestão. Tome cuidado! Seu uso já foi realizado de forma incorreta por muitas empresas no Brasil, que assumiram um processo “pesado” sem avaliar quais práticas sugeridas no guia realmente eram adequadas para o momento atual destas empresas. Cautela, conhecimento, inovação e troca de experiências são muito importantes para fazer com que um projeto funcione.

A moderna administração de projetos, que nasceu com a sistematização promovida pelo PMI, baseia-se em dois conceitos fundamentais: o processo de gerenciar um projeto e as áreas de conhecimento (ou variáveis da administração).

Processos gerenciais

De acordo com o Guia PMBOK, administrar um projeto é um macroprocesso, composto por cinco grupos de processos principais ligados entre si: iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle e encerramento. Esses grupos de processos dividem-se em 49 processos menores.

Na ótica do PMI, os processos gerenciais  começam e terminam ao longo de todas as fases do ciclo de vida do projeto. Sua base conceitual encontra-se nas clássicas funções administrativas de Fayol (planejamento, organização, comando, coordenação e controle) e no ciclo de Deming (planejar, fazer, controlar e agir).

O Guia PMBOK (Project Management Body of Knowledge) é uma publicação do Project Management Institute, PMI, que compila as melhores práticas mundialmente aceitas em Gerenciamento de Projetos.

Áreas de conhecimento 

Os processos gerenciais ensinam como gerenciar o projeto. Já as áreas do conhecimento são o conteúdo do projeto, ou seja, o que deve ser de fato, administrado. O Guia do PMBOK identifica dez áreas de concentração dos conhecimentos de um projeto.

A integração (Project integration management), na visão do PMI, compreende o processo de preparar, executar e controlar o plano do projeto, considerando todas as áreas a seguir. O escopo (Project scope management) refere-se ao produto do projeto. A administração do tempo ou dos prazos (Project time management) trata do planejamento, programação e controle das atividades que devem ser concretizadas para que o produto possa ser fornecido. A administração de custos (Project cost management) diz respeito ao planejamento dos recursos necessários para a execução das ações e da preparação e controle do orçamento do projeto. A administração da qualidade (Project quality management) fala sobre o planejamento, garantia e controle da qualidade do produto do projeto. A administração de recursos humanos (Project human resource management) ensina sobre o planejamento, organização e desenvolvimento da equipe do projeto. A administração das comunicações (Project communications management) trata das informações necessárias para a administração do projeto e de sua documentação, desde o planejamento até o fechamento administrativo do projeto. A administração dos riscos (Project risk management) identifica, analisa, trata e controla os riscos, ou seja, os eventos adversos que podem afetar negativamente o projeto. A administração de Partes Interessadas e por fim, a administração de suprimentos (Project procurement management) fornece informações sobre a aquisição de produtos e serviços de fornecedores, abrangendo o planejamento, execução, contratação e controle de compras.

Por fim, cabe ressaltar que o Guia PMBOK é um compilado de melhores práticas, mundialmente reconhecidas, para administração de projetos. Mas cuidado! O Guia não é uma receita de bolo para sucesso em projetos. O sucesso do projeto depende de estudo, conhecimento, equipe altamente preparada e muita dedicação. Vale ressaltar que um projeto bem estruturado depende, ainda, de um software robusto de gestão de projetos capaz de lhe fornecer informações precisas e detalhadas sobre o andamento do seu projeto.

Abaixo, a lista de processos da sexta edição do Guia PMBOK:

ProcessoÁrea de ConhecimentoGrupo de Processo
4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto4 - integraçãoIniciação
4.2 Desenvolver o plano de gerenciamento do projeto 4 - integraçãoPlanejamento
4.3 Orientar e gerenciar o trabalho do projeto 4 - integraçãoExecução
4.4 Gerenciar o conhecimento do projeto4 - integraçãoExecução
4.5 Monitorar e controlar o trabalho do projeto 4 - integraçãoMonitoramento e Controle
4.6 Realizar o controle integrado de mudanças4 - integraçãoMonitoramento e Controle
4.7 Encerrar o projeto ou fase4 - integraçãoEncerramento
5.1 Planejar o gerenciamento do escopo5 - escopoPlanejamento
5.2 Coletar os requisitos5 - escopoPlanejamento
5.3 Definir o escopo5 - escopoPlanejamento
5.4 Criar a EAP5 - escopoPlanejamento
5.5 Validar o escopo5 - escopoMonitoramento e Controle
5.6 Controlar o escopo5 - escopoMonitoramento e Controle
6.1 Planejar o gerenciamento do cronograma6 - cronogramaPlanejamento
6.2 Definir as atividades6 - cronogramaPlanejamento
6.3 Sequenciar as atividades6 - cronogramaPlanejamento
6.4 Estimar a duração da atividade6 - cronogramaPlanejamento
6.5 Desenvolver o cronograma6 - cronogramaPlanejamento
6.6 Controlar o cronograma6 - cronogramaMonitoramento e Controle
7.1 Planejar o gerenciamento dos custos7 - custosPlanejamento
7.2 Estimar os custos7 - custosPlanejamento
7.3 Determinar o orçamento7 - custosPlanejamento
7.4 Controlar os custos7 - custosMonitoramento e Controle
8.1 Planejar o gerenciamento da qualidade8 - qualidadePlanejamento
8.2 Gerenciar a qualidade8 - qualidadeExecução
8.3 Controlar a qualidade8 - qualidadeMonitoramento e Controle
9.1 Planejar o gerenciamento dos recursos9 - recursosPlanejamento
9.2 Estimar os recursos da atividade9 - recursosPlanejamento
9.3 Adquirir recursos9 - recursosExecução
9.4 Desenvolver a equipe9 - recursosExecução
9.5 Gerenciar a equipe9 - recursosExecução
9.6 Controlar os recursos9 - recursosMonitoramento e Controle
10.1 Planejar o gerenciamento das comunicações10 - comunicaçõesPlanejamento
10.2 Gerenciar as comunicações10 - comunicaçõesExecução
10.3 Monitorar as comunicações10 - comunicaçõesMonitoramento e Controle
11.1 Planejar o gerenciamento dos riscos11 - riscosPlanejamento
11.2 Identificar os riscos11 - riscosPlanejamento
11.3 Realizar a análise qualitativa dos riscos11 - riscosPlanejamento
11.4 Realizar a análise quantitativa dos riscos11 - riscosPlanejamento
11.5 Planejar as respostas aos riscos11 - riscosPlanejamento
11.6 Implementar respostas aos riscos11 - riscosExecução
11.7 Monitorar os riscos11 - riscosMonitoramento e Controle
12.1 Planejar o gerenciamento das aquisições12 - aquisiçõesPlanejamento
12.2 Conduzir as aquisições12 - aquisiçõesExecução
12.3 Controlar as aquisições12 - aquisiçõesMonitoramento e Controle
12.4 Encerrar as aquisições12 - aquisiçõesEncerramento
13.1 Identificar as partes interessadas13 - partes interessadasIniciação
13.2 Planejar o engajamento das partes interessadas13 - partes interessadasPlanejamento
13.3 Gerenciar o engajamento das partes interessadas13 - partes interessadasExecução
13.4 Monitorar o engajamento das partes interessadas13 - partes interessadasMonitoramento e Controle

O NetProject, software de gestão de projetos desenvolvido pela Seed Intelligence,  é totalmente aderente ao Guia PMBOK.

Sobre Hayala Curto

Sobre o Colunista: Hayala Curto, CEO da Seed e idealizador do software NetProject. Principal acionista da empresa, Hayala é Mestre em Informática e graduado em Ciência da Computação pela PUC-MG. MBA em Gerência de Projetos e MBA em Gestão Empresarial pela FGV.
Tem mais de 15 anos de experiência profissional, coordenando projetos de TI e implantando Escritórios de Projetos em clientes de diversos portes e segmentos. Participou da abertura de 3 empresas. A primeira faliu, a segunda foi vendida e atualmente trabalha como CEO na terceira.
É certificado PMP desde 2005, PMI-SP e PMI-RMP, pelo PMI. Também é certificado IPMA-C, Prince2 e CSM. Apaixonado por Gerenciamento de Projetos, atua como docente na área, em cursos de pós-graduação/MBA, desde 2009.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.