O PMO no contexto da Transformação Digital

A Transformação Digital é uma realidade critica para a maioria das organizações. A tecnologia se tornou a mais poderosa aliada, transformando todos os processos em digitais. Seu produto pode não ser tecnologia, você pode não vender um aplicativo, mas a sua empresa é conhecida, reconhecida, comunicada e julgada por meio da tecnologia. Todas as empresas devem ser capazes de se conectar e satisfazer seus clientes através de experiências baseadas em softwares. Todos os setores devem mirar seus esforços em criar processos ágeis, modelos de negócio mutantes e digitais.

“No triênio de 2018-2020, os investimentos em Transformação Digital devem somar US$ 6,3 trilhões.”

IDC

Estudo do Project Management Institute, PMI, aponta que 80% das organizações direcionaram, em 2018, seus investimentos em tecnologias disruptivas. Um ponto chave para o sucesso destas iniciativas é adoção de boas práticas de Gerenciamento de Projetos. Neste cenário, o PMO, como figura central das práticas de gestão de uma organização, passa a representar um papel fundamental na disseminação da Cultura da Inovação, um dos pilares de uma efetiva Transformação Digital.

A Transformação Digital acarreta de mudanças na forma de trabalhar de uma organização. A mudança passa a ser o cotidiano e devemos nos adaptar cada vez mais e entender que nossos métodos de trabalho, tecnologias e interação vão mudar com grande velocidade.

O PMO, como referência da gestão de projetos na organização, deve se preparar para ser o catalisador e organizador das mudanças necessárias, em termos de processos, capacitação de pessoas e ferramentas tecnológicas para atingir os objetivos da Transformação Digital.

A seguir, listamos 5 práticas indicadas para validar a atuação do PMO na implantação de uma cultura de inovação e mudanças que permita o desenvolvimento da Transformação digital

  • O PMO deve ser um defensor da Cultura de Mudanças: Deve demonstrar como as novas tecnologias foram utilizadas e educar a equipe de projetos no engajamento em relação a novas formas de trabalho digitais. É comum equipe se sentir ameaçada em relação a tecnologias disruptivas. Uma atuação assertiva do PMO pode diminuir este risco, indicando a melhor forma de usar aquela tecnologia ou método.
  • O PMO deve investir no aprendizado contínuo:. Novas tecnologias requerem treinamento e qualificação. Toda a organização deve ter como preocupação a continua capacitação dos colaboradores para que seja possível vincular um time de ponta a tecnologias de pontas.
  • O PMO deve eliminar o medo de falhar: Falhar representa aprendizado. É certo que o uso de tecnologias de ponta pode levar a falhas e a partir destas falhas que vem aprendizado. O medo de falhar pode causar retardo no desenvolvimento das tecnologias. É fundamental que estas falhas venham acompanhadas de aprendizado, ou seja, não é o simples falhar, mas sim planejar, executar, aprender e registrar o aprendizado para evitar futuros retrabalhos.
  • O PMO deve usar modelos Híbrido de Gestão: Nem todos os projetos da organização devem seguir uma mesma Metodologia. O PMO deve ser capaz de determinar o conjunto de práticas e ferramentas adequado a cada porte/tipo de projeto. As Metodologias propostas podem e devem indicar o uso combinado de práticas preditivas, ágeis e visuais. Por exemplo, para projetos com poucas mudanças de Escopo, trabalhar com Estruturas Analíticas de Projeto e Cronogramas padrão. Para projetos com mudanças frequentes, lançar mão de planejamento em ondas, via Sprints e Cronogramas Ágeis.
  • O PMO deve manter o controle sobre os Projetos: Independente da forma como os projetos estão sendo gerenciados, seja com práticas preditivas ou práticas ágeis, o PMO deve ter um repositório central para acompanhar a evolução destes projetos. Ou seja, mesmo que a equipe utilize seu Quadro Kanban físico para acompanhar as atividades dos Sprints, o PMO deve ser capaz de acompanhar o planejamento macro do projeto ágil. Esta centralização permite um bom reporte de comunicação para a alta gestão sobre o uso de recursos e o avanço do planejamento estratégico.

Em suma, o PMO possui um papel importante na Transformação Digital. Deseja impulsionar a performance de seu PMO? Conte conosco!

Sobre Hayala Curto

Sobre o Colunista: Hayala Curto, CEO da NetProject. Mestre em Informática e graduado em Ciência da Computação pela PUC-MG. MBA em Gerência de Projetos e MBA em Gestão Empresarial pela FGV.
Tem mais de 20 anos de experiência profissional, coordenando projetos de TI e implantando Escritórios de Projetos em clientes de diversos portes e segmentos. Participou da abertura de 3 empresas. A primeira faliu, a segunda foi vendida e atualmente trabalha como CEO na terceira.
É certificado PMP desde 2005, PMI-SP e PMI-RMP, pelo PMI. Também é certificado IPMA-C, Prince2 e CSM. Apaixonado por Gerenciamento de Projetos, atua como docente na área, em cursos de pós-graduação/MBA, desde 2009.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.