O crescimento do agronegócio no Brasil e a necessidade de uma gestão de projetos eficaz para o setor

O Brasil tem uma vocação para o agronegócio por causa de suas características naturais: clima, solo, água, luminosidade e outros aspectos. Nosso país possui mais de oito milhões de quilômetros e é o quinto país do mundo com potencial de expansão de sua capacidade agrícola, sem necessidade de agredir o meio ambiente. O agronegócio brasileiro além de moderno, competitivo e eficiente, é uma atividade bem-sucedida, segura e com grande possibilidade de lucros. Temos quase 13% de toda a água doce disponível no planeta e 388 milhões de hectares de terras agricultáveis.

No Brasil, segundo o portal do agronegócio, esse setor representa 33% do Produto Interno Bruto (PIB), 42% das exportações totais e 37% dos empregos nos país. Mesmo com a crise, o agronegócio projeta desempenho positivo em 2016, que prevê crescimentos médio de 2% este ano.

Por isso, é imprescindível que o setor seja estruturado e conduzido por um modelo de gestão de projetos eficiente e eficaz. De acordo com artigo publicado no site dos administradores “com o surgimento de projetos modernos que envolvem atividades com alto grau de complexidade, em um ambiente caracterizado por mudanças rápidas, e cada vez mais exigentes em níveis de recursos, cabe aos gestores cumprir o papel de administrador dessas mudanças”. Para isso, diz no artigo que “a estrutura tradicional deve ser substituída por uma estrutura orientada por projetos, que possua a capacidade de responder de maneira satisfatória as mudanças”.

A Gestão de Projetos

Segundo o Project Management Institute, gestão de projetos são os processos pelo qual se aplicam conhecimentos, capacidades, instrumentos e técnicas às atividades do projeto de forma a satisfazer as necessidades e expectativas dos diversos stakeholders, que são indivíduos ativamente envolvidos no projeto ou cujo resultado do mesmo poderá afetá-lo positiva ou negativamente.

O agronegócio

O agronegócio é o conjunto de todas as cadeias produtivas, que vai da produção, distribuição de insumos e comercialização de alimentos. É um setor gigante que está ligado a todos os setores da economia e se moderniza frequentemente, batendo recordes de produção, produtividade e exportação. Contrapondo tudo isso, segundo artigo publicado no site da Rehagro, as margens de lucro sobre a compra e venda da grande maioria dos produtos agrícola abaixam cada vez mais. Por isso, a profissionalização do agronegócio se tornou um pré-requisito para sobrevivência no setor, com uma gerência de custos e despesas bem feita, estratégias de faturamento bem definidas e, por fim, processos internos e externos bem elaborados. O artigo ainda conta que com o passar do tempo, “foram desenvolvidos diversos guias e metodologias com o objetivo de especificar como um projeto deve ser gerenciado, destacando-se o PMBOK – Project Management Body of Knowledge – o qual é controlado pelo PMI – Project Mangement Institute – que é uma das principais associações mundiais em gerenciamento de projetos”.

O PMBOK possui 44 processos de gerenciamento, mas não é considerada como uma metodologia. Embora ele não dita exatamente como devem ser implantados os projetos, é uma ótima estrutura a ser seguida para a obtenção de resultados. Gostaria de ler mais sobre gestão de projetos? Acesse nossa seção de e-books do nosso blog: http://blog.seedintelligence.com/ebooks.

E caso queira saber um pouco mais sobre Gestão de Projetos e sua participação no Agronegócio, entre em contato!

Sobre Hayala Curto

Sobre o Colunista: Hayala Curto, CEO da Seed e idealizador do software NetProject. Principal acionista da empresa, Hayala é Mestre em Informática e graduado em Ciência da Computação pela PUC-MG. MBA em Gerência de Projetos e MBA em Gestão Empresarial pela FGV.
Tem mais de 15 anos de experiência profissional, coordenando projetos de TI e implantando Escritórios de Projetos em clientes de diversos portes e segmentos. Participou da abertura de 3 empresas. A primeira faliu, a segunda foi vendida e atualmente trabalha como CEO na terceira.
É certificado PMP desde 2005, PMI-SP e PMI-RMP, pelo PMI. Também é certificado IPMA-C, Prince2 e CSM. Apaixonado por Gerenciamento de Projetos, atua como docente na área, em cursos de pós-graduação/MBA, desde 2009.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *