fbpx

Ciclo de Vida de um Projeto – Entenda para aumentar as chances de sucesso do seu projeto

Tempo de leitura: 7 minutos

O que é um ciclo de vida de um projeto?

O ciclo de vida de um projeto se refere à série de fases pelas quais um projeto progride, do início à conclusão. Envolve etapas que podem variar de nomencalatura e objetivos em diveras organizações como:

1) identificação, preparação, aquisição, implementação e encerramento do projeto.

2) iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle e encerramento

3) planejamento, execução, avaliação, ação

O ciclo de vida de um projeto é crucial para projetos grandes e complexos, onde as ideias são progressivamente elaboradas e desenvolvidas para fornecer detalhes de implementação, possivelmente em cada uma das fases sequenciais ou simultâneas. Apesar disso, é importante pensar em ciclo de vida para projetos de qualquer natureza ou porte, independente do objetivo do projeto e do escopo do projeto.

Ciclo de Vida dos Projetos segundo o Guia PMBOK de gestão de projetos

O ciclo de vida do projeto, conforme definido pelo Guia PMBOK (Project Management Body of Knowledge), refere-se às fases pelas quais um projeto passa desde sua concepção até sua conclusão. O Guia PMBOK reconhece que diferentes projetos podem ter ciclos de vida diferentes, dependendo da natureza do projeto, da indústria e de outros fatores. No entanto, ele descreve um ciclo de vida genérico comum a muitos projetos, que consiste em cinco fases principais:

Fase do Ciclo de vida – Iniciação

Nesta fase, o projeto é concebido e autorizado. São definidos os objetivos iniciais, identificados os principais interessados e realizada uma avaliação preliminar da viabilidade.

Fase do Ciclo de Vida – Planejamento

Durante esta fase, são desenvolvidos planos detalhados para orientar a execução do projeto. Isso inclui a definição de escopo, cronograma, orçamento, recursos necessários, estratégias de gerenciamento de riscos e outras atividades de planejamento.

Ciclo de vida do Projeto – Execução

Aqui é onde o trabalho real do projeto acontece. As equipes executam as tarefas conforme planejado, os recursos são alocados e o progresso é monitorado e controlado.

Fase do Projeto – Monitoramento e Controle

Esta fase ocorre simultaneamente com a execução do projeto. Envolve o acompanhamento do desempenho do projeto em relação ao plano estabelecido, identificando e gerenciando mudanças, resolvendo problemas e garantindo que o projeto permaneça dentro do escopo, cronograma e orçamento definidos.

Fase do Projeto – Encerramento

Na fase final, o projeto é formalmente encerrado. Isso inclui a conclusão de todas as atividades restantes, a entrega do produto ou serviço final ao cliente, a liberação de recursos e a documentação de lições aprendidas para futuros projetos.

Embora essas sejam as fases comuns em muitos projetos, é importante observar que o ciclo de vida do projeto pode variar dependendo da metodologia específica de gerenciamento de projetos adotada e das características únicas de cada projeto.

Escolha do Ciclo de vida de gerenciamento pelo Agile Practice Guide

O “Agile Practice Guide” do Project Management Institute (PMI) é um recurso desenvolvido em parceria com a Agile Alliance®. Ele foi lançado em conjunto com o Guia PMBOK (Project Management Body of Knowledge) 6ª Edição para fornecer orientações sobre como aplicar práticas ágeis em projetos.

O guia busca promover uma compreensão mais profunda dos princípios e práticas ágeis, bem como a integração dessas abordagens com os processos tradicionais de gerenciamento de projetos. No guia é apresenda uma forma interessante para avaliar os Ciclos de Vida.

Impacto de diferentes Metodologias em cada fase do Ciclo de Vida do Projeto

“Ágil versus Cascata, Cascata versus Ágil!” Parece chamada de combate do UFC, não? Nessa “briga” nenhum dos dois deveria beijar a lona, apesar do “card” estar presente nas discussões de todos os gerentes de projeto nos últimos anos.

Por quê usar o Preditivo e o Ágil juntos?

A definição de qual abordagem utilizar depende das características de cada projeto. Projetos com requisitos bem definidos, que não estejam sujeitos a mudanças funcionarão bem com cascata, enquanto projetos de inovação e pesquisa com requisitos incertos e onde o escopo e o cronograma são difíceis de determinar com antecedência se beneficiarão mais de metodologias Ágeis..


Em um mesmo Portfólio de projetos, uma organização pode ter dezenas de projetos em execução simultaneamente, alguns usando cascata e outros usando Ágil.

Por exemplo, o negócio principal de uma empresa fornecedora de softwares para frente de caixa pode se concentrar em torno de uma produto estável com apenas mudanças incrementais (para a qual a cascata é uma boa opção) .

Porém, a mesma empresa pode desejar investir em novos produtos digitais com inteligência artificial, aproveitando seu expertise e a base de dados do software de frente de caixa. Para esse projeto, o Agile seria mais recomendado.

Os projetos não precisam ser totalmente ágeis ou totalmente preditivos !

De fato, entendemos existem algumas situações em que a combinação de ambos proporciona muito mais benefícios do que qualquer um deles individualmente.

Por exemplo, uma empresa pode escolher usar o preditivo para planejar as grandes fases de um projeto e usar o Ágil para desenvolver um produto ou serviço iterativamente em cada estágio.

Combidações possíveis para as etapas do Ciclo de Vida do Projeto

Metodologias híbridas combinam o melhor dos dois mundos: a estrutura geral de cascata do preditivo, com a flexibilidade do Ágil. Dar às suas equipes a opção e flexibilidade para escolher a metodologia que melhor se adapta às características do projeto pode ser uma forma significativa de impulsionar o desempenho de seus projetos.

Mesmo que você não use o Ágil hoje, vale a pena planejar o futuro: você precisa saber que, se mudar seus processos, sua ferramenta PPM pode e mudará com você.

Ter a opção de introduzir técnicas Ágeis em seus processos em cascata existentes de forma controlada é uma ótima opção. Uma boa ferramenta PPM ajudará você a gerenciar projetos ágeis, preditivos e híbridos na mesma ferramenta.

As abordagens de gerenciamento de projetos ágeis, em preditivos e híbridos podem seguir princípios diferentes, mas ainda usam os mesmos recursos (que você precisa fornecer) e são responsáveis ​​pelo portfólio.

Importância de se entender o que é o ciclo de vida para o gerenciamento de projetos

Entender o ciclo de vida do projeto é fundamental para o gerenciamento de projetos por várias razões:

  1. Planejamento Adequado: Compreender as diferentes fases do ciclo de vida permite um planejamento mais preciso. Cada fase requer atividades específicas, recursos e objetivos. Saber em qual fase o projeto está ajuda na alocação de recursos, definição de metas e estimativa de prazos.
  2. Gerenciamento de Riscos: Cada fase do ciclo de vida apresenta diferentes conjuntos de riscos. Ao compreender esses riscos específicos de cada fase, os gerentes de projeto podem desenvolver estratégias de gerenciamento de riscos mais eficazes e tomar medidas proativas para mitigar problemas potenciais.
  3. Controle e Monitoramento: Entender o ciclo de vida permite um controle mais eficaz do progresso do projeto. Os marcos do ciclo de vida servem como pontos de referência para avaliar o desempenho e tomar medidas corretivas conforme necessário. Isso ajuda a garantir que o projeto permaneça dentro do escopo, cronograma e orçamento definidos.
  4. Comunicação e Engajamento dos Stakeholders: Conhecendo o ciclo de vida do projeto, os gerentes podem comunicar de forma mais eficaz com as partes interessadas. Eles podem explicar onde o projeto está em termos de progresso e quais são as expectativas para a próxima fase. Isso promove um melhor engajamento das partes interessadas ao longo de todo o projeto.
  5. Gerenciamento de Mudanças: O entendimento do ciclo de vida ajuda na gestão de mudanças. As mudanças são inevitáveis ​​em qualquer projeto, mas compreender em que fase do ciclo de vida uma mudança ocorre pode afetar sua implementação e impacto. Os gerentes de projeto podem avaliar o impacto das mudanças em termos de cronograma, custo e qualidade com base na fase atual do projeto.