Scrum – Evite esses 3 erros!

O Scrum vem sendo utilizado para o desenvolvimento de produtos complexos desde o início da década de 1990 e é conhecido, desde então, como um processo ou uma técnica para o desenvolvimento de produtos.

A metodologia ágil usada para a gestão dinâmica de projetos de software, permite controlar as atividades, potencializando as equipes que trabalham em prol de um objetivo em comum, baseado nas melhores práticas aceitas pelo mercado.

O Scrum é fundamentado nas teorias empíricas de controle de processo e tem como base para sua implementação três pilares: transparência, inspeção e adaptação. A metodologia emprega uma abordagem iterativa e incremental para otimizar a previsibilidade e controlar riscos.

Como funciona a metodologia Scrum?

Nessa metodologia, os projetos são divididos em ciclos (Sprints). Esse último representa um Time Box dentro do qual um conjunto de atividade deve ser executado. As metodologias ágeis de desenvolvimento de software dividem o trabalho em iterações, que são chamadas de Sprints no caso do Scrum. Esta metodologia é essencial para muitas empresas atualmente, porque não apenas facilita a definição de objetivos, como também ajuda a cumprir os prazos estabelecidos.

No entanto, é comum algumas empresas reclamarem que o método não está funcionando. É importante dizer que os resultados vêm com o tempo e, ainda, o time pode estar cometendo alguns erros básicos que impossibilitam o sucesso do projeto.

Evite três erros ao implantar o Scrum

1º ) A escolha do Scrum Master

Esse é o principal aspecto que deve ser levado em consideração. O Scrum Master precisa eliminar todas as barreiras e orientar o time no que tange as melhores práticas. Esse profissional é o elo entre o time e os outros envolvidos no projeto. Por isso, ele precisa ser experiente. Muitas empresas colocam um profissional sem experiência, perfil ou autoridade para o cargo. Assim, o projeto não anda. Além disso, é muito importante que o Scrum Master realize apenas essa função. Algumas empresas colocam um líder ou gerente de projetos para isso. Está errado! O Scrum Master precisa de tempo livre para fazer o seu trabalho.

2º) A definição do escopo e dos sprints

O planejamento é a hora mais importante. A definição do escopo deve ser rigorosa, certeira e sem enrolação. Não entender e não delimitar o escopo do projeto vai causar problemas em um futuro bem próximo. O excesso de planejamento no primeiro Sprint também é um fator complicador. Por isso, faça com medida. Conhecer o todo e saber dividir em partes é crucial para que todos os ciclos do projeto resultem no que foi esperado.

Nesta etapa é importante ficar atento ao prazo. Não existe prazo eterno e ele também não pode ser arbitrário, ou seja, definido aleatoriamente. O Scrum trabalha com sprints, ao invés de um prazo fechado.

3º) As reuniões diárias

O pior erro é não fazer a reunião diária. Mas cuidado com o tempo e o que será trabalhado! São apensa 15 minutos: foco é muito importante, pois não é hora de discutir assuntos aleatórios. A Daily Scrum é utilizada diariamente para responder ao Scrum Master três perguntas objetivas:

– O que fizemos ontem?
– O que faremos hoje?
– Quais são os impedimentos?

Por fim, vale dizer que não existe fórmula mágica. O trabalho, a dedicação (com conhecimentos e ferramentas certas), ser capaz de responder às mudanças e às crises no curto prazo e, ainda, conseguir manter a equipe coesa e motivada são a chave para obter um bom resultado nos projetos.

Sobre admin

Sobre o Colunista: Hayala Curto, CEO da Seed e idealizador do software NetProject. Principal acionista da empresa, Hayala é Mestre em Informática e graduado em Ciência da Computação pela PUC-MG. MBA em Gerência de Projetos e MBA em Gestão Empresarial pela FGV.
Tem mais de 15 anos de experiência profissional, coordenando projetos de TI e implantando Escritórios de Projetos em clientes de diversos portes e segmentos. Participou da abertura de 3 empresas. A primeira faliu, a segunda foi vendida e atualmente trabalha como CEO na terceira.
É certificado PMP desde 2005, PMI-SP e PMI-RMP, pelo PMI. Também é certificado IPMA-C, Prince2 e CSM. Apaixonado por Gerenciamento de Projetos, atua como docente na área, em cursos de pós-graduação/MBA, desde 2009. Atualmente é Coordenador de Cursos de Graduação da Faculdade COTEMIG.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.